Cultura de Atitude

Tudo sobre música, leitura e opinião de qualidade

Translate blog

Fãs do Facebook

Redes Sociais




Seguidores do Google

Seguidores diHITT

Total de visualizações

  • 34255Total de leituras:
  • 6Leituras de hoje:
  • 26Leituras de ontem:
  • 102Leituras da semana passada:
  • 202Leituras por mês:
  • 22136Total de visitas:
  • 6Visitas de hoje:
  • 26Visitas de ontem:
  • 94Visitas da semana passada:
  • 193Visitas por mês:
  • 13Média de visitas por dia:
  • 0Visitantes que estão online:

Nossos Parceiros

Faça parceria conosco!


Calendário

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Morrissey – Alma Matters

Essa canção é do excepcional álbum Maladjusted, sexto álbum de estúdio solo do cantor Britânico Morrissey. Foi lançado em Agosto de 1997 tendo atingido a 8ª posição nos tops do Reino Unido. Teve como singles “Alma Matters”, “Roy’s Keen” e “Satan Rejected My Soul”.

Um disco emotivo, intenso e intimista no talo da alma, na época de seu lançamento, Morrissey disse que em Maladjusted ele tinha dado o melhor dele como cantor e compositor.

E realmente é um dos seus melhores álbuns da carreira e que muito o simboliza como cantor e poeta no rock mundial, estatus que o acompanha desde os primórdios do The Smiths.

Esse álbum só não alçou voos maiores, pois no cenário inglês o Oasis tinha lançado o Be Here Now e ainda tinha a explosão do The Verve com o disco Human Hymns.

Confira então logo abaixo o vídeo clipe oficial dessa grande canção:

Continue lendo a postagem


The Cult – Love Removal Machine

The Cult é uma banda britânica que começou suas atividades musicais em 1983.

Apesar de terem começado a carreira musical na época do pós punk, a banda em si tem como grandes influências o rock dos anos 60 e 70, entre eles o The Doors, Jimi Hendrix e Led Zeppelin.

O seu primeiro disco de grande sucesso é Love (1985), segundo da discografia da banda e que também é uma grande homenagem sonora e musical as suas principais influências dos anos 60 e 70.

Enquanto bandas da época como Depeche Mode e New Order investiam na sonoridade eletrônica, o The Cult sempre reverenciou o rock básico com guitarras rítmicas e distorcidas

Ao longo de 34 anos de carreira com dois hiatos (1995 a 2001) e (2002 a 2006) o The Cult lançou 10 discos de estúdio:

 

A formação atual da banda é:

Membros

  • Ian Astbury – voz principal, percussão (1983–1995, 1999–presente)
  • Billy Duffy – guitarra (1983–1995, 1999–presente)
  • Grant Fitzpatrick – baixo (–presente)
  • Damon Fox – Teclados , guitarra base e vocais
  • John Tempesta – bateria (2006–presente)
Músicos de apoio
  • .James Stevenson -guitarra ritmica [94-95 e retornou a banda com a saida de Mike Dimkich ] ex-Chelsea com Billy Idol , Jene Loves Jezebel , Kim Wilde , Generation x etc
  • Mike Dimkich – guitarra rítmica (1993–1994, 1999–presente)

Confira abaixo, o primeiro hit de Electric, considerado o álbum mais clássico da banda:
Continue lendo a postagem


New Order – True Faith (1987) [OFFICIAL MUSIC VÍDEO]

Quem diria que o New Order é o filho de uma das bandas mais sombrias do mundo, mesmo tendo um som tão alegre e alto astral?

Para quem não sabe, o New Order surgiu dos remanescentes do Joy Division, banda que teve uma carreira de apenas 3 anos e que acabou com o suicídio de Ian Curtis.

Ian Curtis, por sinal é reverenciado e considerado grande influência por Morrissey e Siouxie Sioux.

Já o New Order, conseguiu conciliar de forma única gêneros totalmente opostos entre si, no caso o rock, o pop eletrônico e a dance music.

De longe, é a banda mais animada do anos 80 em termos de som.

Nos clipes daquela década, o New Order tentava passar como conceito a revolução cultural e tecnológica por qual o mundo passava.

Confira abaixo então um de seus clássicos absolutos:

Continue lendo a postagem


The Offspring – Feelings

Clássico da música brega romântica internacional, originalmente composta pelo brasileiro Morris Albert em 1975.

Essa canção está entre as 100 músicas mais regravadas no mundo, onde recebeu versões de artistas lendários como:

No entanto, eu como um roqueiro incondicional, venho trazer ao público a versão punk do Offspring, onde todas as citações da música para a palavra love (amor) são traduzidas para a palavra hate (ódio).

Em sua versão punk, são os 3 minutos mais frenéticos do rock contemporâneo.

Confira abaixo a original e interessante versão deste clássico da música mundial:

 

Continue lendo a postagem


Alice In Chains – We Die Young

O Alice in chains é muito mais do que apenas a minha banda favorita do grunge.

Está banda teve a graça de ter o melhor vocalista dos anos 90 (Layne Staley) e também o guitarrista mais criativo da mesma década (Jerry Cantrell).

Das bandas clássicas do rock, o Van Halen sempre demonstrou uma admiração por eles dizendo ser a banda mais técnica do grunge.

Também sempre tiveram a simpatia e reverência do pessoal do heavy metal, Metallica, Phil Anselmo (Pantera) e Corey Taylor (Slipknot) são grandes fãs do Alice in Chains.

A carreira da banda foi de 1990 a 1996 com a formação original, e retomaram as atividades em 2009 com William Duvall nos vocais lançados os excepcionais discos Black gives way to blue (2009) e The Devil Put Dinosaurs Here (2013) No qual William e Jerry alternam nos vocais e ambos tocam guitarra, o que deixou o som da banda nitidamente mais pesado.

Conosco você ouve abaixo o primeiro hit do primeiro disco do Alice in Chains (Facelift)

Continue lendo a postagem


Eric Clapton – Drifting Blues (2008 Unplugged)

Um dos guitarristas mais influentes e importantes da história do rock.

Integrante de bandas como Yardbirds e Cream, que serviram de pilar para todo o rock que viria nos anos 70.

Mas muito mais do que o bom e velho rock n’ roll, as raízes da musica de Eric Clapton vem do blues, estilo que aprendeu a tocar quando ganhou o seu primeiro violão aos 13 anos de idade.

Vindo de uma cidade rural da Inglaterra e de uma família extremamente confusa (Eric Clapton é filho de sua irmã que teve um breve caso com o seu próprio pai) acabou sendo criado pelos avós.

Nascido no ano de 1945, teve como início de sua carreira aos 18 anos de idade (1963). Até os dias atuais, foram 66 discos gravados, incluindo com as suas antigas bandas, carreira solo, parcerias e coletâneas.

Veja abaixo uma versão acústica de um grande blues de sua carreira.

Continue lendo a postagem


PJ Harvey – A Place Called Home

Taí um monstro no melhor sentido da palavra do rock feminino que deveria falar mais vezes no blog.

Tida como a grande voz e artista do rock alternativo entre as cantoras de rock, PJ Harvey tem a crueza de Patti Smith fundido no lado camaleônico de David Bowie.

Ela mesma diz que de um álbum anterior para o próximo sempre procura se reinventar, sem soar como uma cópia ou repetição do que fez no passado.

Sua carreira começou com a sonoridade o mais distorcida possível, passou pelas nuancias do blues, folk e pop até chegar ao estilo medieval, jazz e percussão.

Lógico que considerando toda a sua carreira teve os discos que se destacaram mais, como:

 

  • Rid of me (1993)
  • Stories from the city, stories from the sea (2000)
  • A woman a man walked by (2009)

O que posso garantir a vocês é que com a PJ Harvey não tem disco ruim, todos são de uma grande riqueza musical.

Confira abaixo então um dos seus maiores sucessos em vídeo clipe

Continue lendo a postagem


Portishead – Roads

A banda foi formada em 1991  mas lançou o seu primeiro álbum apenas em 1994.

Numa mescla de música eletrônica, pop, gótico e resquícios da melodia do jazz, o Portishead é o maior representante do gênero chamado trip-hop do qual temos também o Morcheeba e Massive Attack como outros grandes expoentes.

Apesar de ter quase 30 anos de carreira, a banda possui apenas 3 álbuns, do qual conseguiram mesmo assim construir uma discografia coesa, inspirada e autentica em relação aos diversos artistas da cena musical atual.

Sempre há rumores da gravação do seu esperado quarto álbum, mas a banda enquanto isso apenas faz turnês e shows ao vivo.

Confira abaixo a versão ao vivo e orquestrada de Roads, gravada no seu DVD ao vivo em Nova York.

Continue lendo a postagem


Gary Moore — Empty Rooms (Live at Montreux — 2010)

Imagino que neste grande momento da carreira de Gary Moore ao vivo, todos os guitarristas já falecidos do rock e do blues, interromperam seus afazeres na espiritualidade para ouvir essa obra de arte em versão de musica.

Da versão de estúdio, que tem pouco mais de 4 minutos, Gary Moore com a mesma canção te leva a uma viagem musical incrível de onze minutos e meio.

Sua inspiração e o entrosamento com a banda é tão magistral, que nem dá para rotular se a música é rock, blues ou um r & b distorcido, eu prefiro simplesmente chamar de música direta da alma.

Pois com essa versão, você por momentos sente a paz, plenitude e alegria de quem somente é completo por si mesmo consegue sentir em algumas oportunidades da vida.

Veja abaixo esse grande som e sinta por dentro o que tentei explicar em palavras simplórias:

Continue lendo a postagem


Pink Floyd – Wish You Were Here (Pulse Live – HD)

Banda lendária do rock dos anos 60 e pioneira do rock progressivo.

Podemos dizer que o Pink Floyd fez melodia e arte ter a mesma concepção de significado.

A música é a faixa titulo do nono álbum da banda e sucessor do consagradíssimo Dark Side Of The Moon.

Trata – se de um disco muito pessoal para os integrantes sendo que boa parte das músicas são dedicadas e inspiradas em Syd Barrett (vocalista da primeira formação da banda)

A música é de 1975, mas é uma faixa atemporal e muito executada nas rádios de todo mundo até os dias atuais.

Confira a versão ao vivo deste grande clássico do rock na turnê do Pulse em 1994.

Continue lendo a postagem