Tudo sobre música, leitura e opinião de qualidade
Translate blog
Fãs do Facebook

Redes Sociais




Seguidores do Google

Seguidores diHITT

Total de visualizações
  • 37031Total de leituras:
  • 3Leituras de hoje:
  • 9Leituras de ontem:
  • 60Leituras da semana passada:
  • 126Leituras por mês:
  • 24414Total de visitas:
  • 3Visitas de hoje:
  • 7Visitas de ontem:
  • 54Visitas da semana passada:
  • 114Visitas por mês:
  • 7Média de visitas por dia:
  • 0Visitantes que estão online:
Nossos Parceiros
Faça parceria conosco!


Calendário
junho 2013
S T Q Q S S D
    jul »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivo do mês: junho 2013

Black Sabbath – 13

220px-Black_Sabbath_13

Este é o final do começo / ou o começo do fim… Este são os primeiros versos do triunfal e emblemático retorno dos pais e precursores do heavy metal com Ozzy Osbourne nos vocais juntamente com Tony Iommi e Geezer Butler após 35 anos da separação em 1978. A ausência neste trabalho é de Bill Ward por divergências em questões contratuais. Em 13 o Black Sabbath não teve a pretensão de fazer um heavy metal moderno e sim resgatar o espírito dos 6 primeiros álbuns da formação clássica e original da banda, conseguindo isso com extremo êxito para  deleite dos fãs. Já na temática das letras entra questões como vida e morte, valores morais corrompidos, desregramento sócio – político – religiosos de um mundo decadente e sem salvação.

Continue lendo a postagem…


O Amor

O amor, quando se revela, 
Não se sabe revelar. 
Sabe bem olhar pra ela, 
Mas não lhe sabe falar. 

Quem quer dizer o que sente 
Não sabe o que há de dizer. 
Fala: parece que mente 
Cala: parece esquecer 

Ah, mas se ela adivinhasse, 
Se pudesse ouvir o olhar, 
E se um olhar lhe bastasse 
Para saber que a estão a amar! 

Mas quem sente muito, cala 
Quem quer dizer quanto sente 
Fica sem alma nem fala, 
Fica só, inteiramente! 

Mas se isto puder contar-lhe 
O que não lhe ouso contar, 
Já não terei que falar-lhe 
Porque lhe estou a falar…

AUTOR: FERNANDO PESSOA

Madonna – Music (2000)

 

A minha primeira indicação é uma cantora e acima de tudo mulher que dispensa comentários: MADONNA – Não só a rainha do pop, mas única artista pop que tem um trabalho digno, de valor e de talento:

 

Vou deixar como aperitivo da vasta obra desta cantora o disco Music de 2000 que é um dos meus preferidos dela, pois há canções dance, pop e ao violão, instrumento que na época Madonna tinha acabado de aprender.

 

 

E pra você a Madonna é mesmo a rainha absoluta do pop? E por qual motivo?

Marina Lima – Marina Lima (1991)

marina-lima_1991

 

Ela e Eu 

Há flores de cores concentradas
Ondas queimam rochas com seu sal
Vibrações do sol no pó da estrada
Muita coisa, quase nada
Cataclismas, carnaval

Há muitos planetas habitados
E o vazio da imensidão do céu
Bem e mal e boca e mel
E essa voz que Deus me deu
Mas nada é igual a ela e eu

 

Esse é o começo do disco Marina Lima de 1991 ainda a capella, somente voz e poesia (escrita por Caetano Veloso) . Infelizmente não vemos algo assim tão lindo sair da boca de uma Ivete Sangalo, Claúdia Leite, Gaby Amarantos da vida, nem mesmo de Paula Fernandes que apesar de boa cantora e violonista ainda tem que caminhar muito para chegar neste nível.

 

O disco segue com Grávida, letra composta com Arnaldo Antunes (ex – Titãs), uma letra de metáforas e linguagem figurada, mas que no vocal de Marina se torna tão natural e agradável como uma canção de amor. Na sequência vem a música Criança, uma canção que traz um pop moderno que soa atual até os dias de hoje com um groove sensacional de bateria que sobressai em relação aos instrumentos de cordas, a letra também pop fala descompromissadamente de desvendar caminhos e decifrar segredos para chegar até você.

Continue lendo a postagem…


O assistencialismo do governo subsidiado pelos nossos impostos

bolsa famíliaassistencialismo governamental

Qual a melhor forma de um partido se manter no poder pelas gerações seguintes mesmo sem o país crescer e esse mesmo governo transformar um mar de corrupção tão banal, comum e aceitável aos olhos da sociedade quanto a telenovela ou o funk da periferia de cada cidade? Simples:

Continue lendo a postagem…


Garbage – Version 2.0 (1998)

garbage_2.0

Como primeiro disco internacional a passar pelo crivo crítico do nosso blog eu poderia ter escolhido algum disco clássico do grunge ou do britpop para ser comentado e postado, mas como um fã ávido de rock alternativo e por ter uma grande relação sentimental com essa banda, resolvi então escolher o Version 2.0, segundo álbum da carreira do Garbage.

 

Para quem não conhece a banda, vou dar um leve parecer sobre a mesma. O Garbage é uma banda norte – americana formada em 1994 pelos integrantes e super produtores Duke Ericson (guitarra, teclado e piano), Stevie Marker (guitarra, contrabaixo e teclado), Butch Vig (bateria, samplers e loops) sendo este produtor de bandas como Nirvana, Smashing Pumpkins, Sonic Youth, Foo Fighters, entre outros, completando a banda com a vocalista.Shirley Manson, uma escocesa ruiva de olhos verdes e vocal grave.

Continue lendo a postagem…


Adriana

 

Esta singela letra /ou poema eu fiz em homenagem a Adriana Calcanhotto, poetisa da mpb e uma das cantoras com a voz mais doce e suave que o Brasil tem, é lindo ver ela interpretando canções de Tom Jobim e Vinicius de Moraes ou cantando ao lado de Maria Bethânia. Segue abaixo a composição:

ADRIANA
DOS SEUS OLHOS ESCORREM
ROSAS BRANCAS DE LEVE DOR
ENXUGA ESTE PRANTO
DOS DESCAMINHOS QUE DECORREM
DE TODO O SEU AMOR

ADRIANA
SUA PUREZA SOPRA AO LONGE
COMO UMA BRISA DO MAR
SUAVE E SINGELA COMO SUA VOZ
ACALMA MINHA ALMA DE TANTO AMAR
E VAI DE ENCONTRO A MINHA FOZ

ADRIANA
O SEU TANTO SOFRER
NÃO DÓI EM MIM
PELO CONTRÁRIO ME ALIVIA
DO MEU MASCULINO PADECER
QUE SÓ CURA COM SUA ALEGRIA

ADRIANA
TU ÉS COMO O SOL
NO MEU HUMANO E SINCERO PESAR
DE QUEM AMA NEM SEMPRE
É IGUALMENTE AMADO
MAS NEM POR ISSO DEIXO DE SONHAR…

Autor: Vagner Faustino Fernandes