Tudo sobre música, leitura e opinião de qualidade
Translate blog
Fãs do Facebook

Redes Sociais




Seguidores do Google

Seguidores diHITT

Total de visualizações
  • 36392Total de leituras:
  • 3Leituras de hoje:
  • 4Leituras de ontem:
  • 37Leituras da semana passada:
  • 135Leituras por mês:
  • 23927Total de visitas:
  • 3Visitas de hoje:
  • 4Visitas de ontem:
  • 35Visitas da semana passada:
  • 112Visitas por mês:
  • 4.57Média de visitas por dia:
  • 0Visitantes que estão online:
Nossos Parceiros
Faça parceria conosco!


Calendário
julho 2018
S T Q Q S S D
« jun    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

admin

Alice In Chains – We Die Young

O Alice in chains é muito mais do que apenas a minha banda favorita do grunge.

Está banda teve a graça de ter o melhor vocalista dos anos 90 (Layne Staley) e também o guitarrista mais criativo da mesma década (Jerry Cantrell).

Das bandas clássicas do rock, o Van Halen sempre demonstrou uma admiração por eles dizendo ser a banda mais técnica do grunge.

Também sempre tiveram a simpatia e reverência do pessoal do heavy metal, Metallica, Phil Anselmo (Pantera) e Corey Taylor (Slipknot) são grandes fãs do Alice in Chains.

A carreira da banda foi de 1990 a 1996 com a formação original, e retomaram as atividades em 2009 com William Duvall nos vocais lançados os excepcionais discos Black gives way to blue (2009) e The Devil Put Dinosaurs Here (2013) No qual William e Jerry alternam nos vocais e ambos tocam guitarra, o que deixou o som da banda nitidamente mais pesado.

Conosco você ouve abaixo o primeiro hit do primeiro disco do Alice in Chains (Facelift)

Continue lendo a postagem


Eric Clapton – Drifting Blues (2008 Unplugged)

Um dos guitarristas mais influentes e importantes da história do rock.

Integrante de bandas como Yardbirds e Cream, que serviram de pilar para todo o rock que viria nos anos 70.

Mas muito mais do que o bom e velho rock n’ roll, as raízes da musica de Eric Clapton vem do blues, estilo que aprendeu a tocar quando ganhou o seu primeiro violão aos 13 anos de idade.

Vindo de uma cidade rural da Inglaterra e de uma família extremamente confusa (Eric Clapton é filho de sua irmã que teve um breve caso com o seu próprio pai) acabou sendo criado pelos avós.

Nascido no ano de 1945, teve como início de sua carreira aos 18 anos de idade (1963). Até os dias atuais, foram 66 discos gravados, incluindo com as suas antigas bandas, carreira solo, parcerias e coletâneas.

Veja abaixo uma versão acústica de um grande blues de sua carreira.

Continue lendo a postagem


PJ Harvey – A Place Called Home

Taí um monstro no melhor sentido da palavra do rock feminino que deveria falar mais vezes no blog.

Tida como a grande voz e artista do rock alternativo entre as cantoras de rock, PJ Harvey tem a crueza de Patti Smith fundido no lado camaleônico de David Bowie.

Ela mesma diz que de um álbum anterior para o próximo sempre procura se reinventar, sem soar como uma cópia ou repetição do que fez no passado.

Sua carreira começou com a sonoridade o mais distorcida possível, passou pelas nuancias do blues, folk e pop até chegar ao estilo medieval, jazz e percussão.

Lógico que considerando toda a sua carreira teve os discos que se destacaram mais, como:

 

  • Rid of me (1993)
  • Stories from the city, stories from the sea (2000)
  • A woman a man walked by (2009)

O que posso garantir a vocês é que com a PJ Harvey não tem disco ruim, todos são de uma grande riqueza musical.

Confira abaixo então um dos seus maiores sucessos em vídeo clipe

Continue lendo a postagem


Portishead – Roads

A banda foi formada em 1991  mas lançou o seu primeiro álbum apenas em 1994.

Numa mescla de música eletrônica, pop, gótico e resquícios da melodia do jazz, o Portishead é o maior representante do gênero chamado trip-hop do qual temos também o Morcheeba e Massive Attack como outros grandes expoentes.

Apesar de ter quase 30 anos de carreira, a banda possui apenas 3 álbuns, do qual conseguiram mesmo assim construir uma discografia coesa, inspirada e autentica em relação aos diversos artistas da cena musical atual.

Sempre há rumores da gravação do seu esperado quarto álbum, mas a banda enquanto isso apenas faz turnês e shows ao vivo.

Confira abaixo a versão ao vivo e orquestrada de Roads, gravada no seu DVD ao vivo em Nova York.

Continue lendo a postagem


Gary Moore — Empty Rooms (Live at Montreux — 2010)

Imagino que neste grande momento da carreira de Gary Moore ao vivo, todos os guitarristas já falecidos do rock e do blues, interromperam seus afazeres na espiritualidade para ouvir essa obra de arte em versão de musica.

Da versão de estúdio, que tem pouco mais de 4 minutos, Gary Moore com a mesma canção te leva a uma viagem musical incrível de onze minutos e meio.

Sua inspiração e o entrosamento com a banda é tão magistral, que nem dá para rotular se a música é rock, blues ou um r & b distorcido, eu prefiro simplesmente chamar de música direta da alma.

Pois com essa versão, você por momentos sente a paz, plenitude e alegria de quem somente é completo por si mesmo consegue sentir em algumas oportunidades da vida.

Veja abaixo esse grande som e sinta por dentro o que tentei explicar em palavras simplórias:

Continue lendo a postagem


Pink Floyd – Wish You Were Here (Pulse Live – HD)

Banda lendária do rock dos anos 60 e pioneira do rock progressivo.

Podemos dizer que o Pink Floyd fez melodia e arte ter a mesma concepção de significado.

A música é a faixa titulo do nono álbum da banda e sucessor do consagradíssimo Dark Side Of The Moon.

Trata – se de um disco muito pessoal para os integrantes sendo que boa parte das músicas são dedicadas e inspiradas em Syd Barrett (vocalista da primeira formação da banda)

A música é de 1975, mas é uma faixa atemporal e muito executada nas rádios de todo mundo até os dias atuais.

Confira a versão ao vivo deste grande clássico do rock na turnê do Pulse em 1994.

Continue lendo a postagem


Rolling Stones – Wild Horses (acoustic – 1995)

Como um dos últimos alunos da velha escola do blues, os Rolling Stones sempre compuseram muito bem ao violão.

Essa música em específico, uma das baladas mais clássicas dos anos 70, mesmo não sendo tão romântica quanto Angie.

Em Wild Horses, os Stones mostram a fusão perfeita de Bob Dylan com Gram Parsons dentro do universo da folk music.

Essa versão de 1995, do álbum Stripped, que era uma espécie de lado B e versões alternativas de seus grandes sucessos, mostra um Stones amadurecido no alto dos seus trinta anos de carreira.

Hoje só de carreira eles já tem 55 anos, a música quando é boa não morre, apenas se lapida e aprimora como os bons vinhos europeus…

Ouça abaixo essa grande versão de um dos seus grandes clássicos:

Continue lendo a postagem


The Jimi Hendrix Experience – Foxey Lady (Miami Pop 1968)

O que dizer desse cara chamado Jimi Hendrix?

Quase 50 anos após a sua morte ele ainda continua com a honra ao mérito de melhor guitarrista de todos os tempos.

Talvez, Stevie Ray Vaughan ou Gary Moore poderiam tê-lo superado se tivessem chegado aos 70 ou 80 anos de idade.

Hendrix é uma influencia indispensável e inquestionável para todos os grupos de hard rock e heavy metal que surgiram dos anos 70 até os dias atuais.

Todas as lendas vivas da guitarra ainda vivas o citam como fonte de inspiração

Pesquisando no YouTube achei um registro ao vivo dele com boa qualidade de imagem e de som.

E é essa apresentação que trago para vocês logo abaixo:

Continue lendo a postagem


Legião Urbana – 1985 (álbum) completo

No ano de 1985 na terra tupiniquim, o Brasil já tinha vivido a sensação teatro musical (Blitz), Paralamas do Sucesso e Barão Vermelho já estavam entre o 2º e 3º álbum de suas carreiras, Lobão já era figura carimbada no noticiário pelo seu talento (e loucuras cometidas) e aí eis que surge a banda que se consagraria como a maior de todos os tempos do rock nacional.

Se você pensou num grupo liderado por um tal de Renato Russo acertou!

A Legião Urbana seria em pouco tempo um fenômeno musical que causaria tanta histeria entre os fans quanto os Beatles nos anos 60.

Renato seria a voz de gerações em vida e principalmente de forma póstuma entre crianças e jovens que sabiamente fogem do funk e dos sertanejos universitários e sofrência.

Seu primeiro álbum, que simplesmente leva o nome da banda, é a concepção de uma geração que muito tinha para falar pós era de regime militar.

Além das clássicas Será, Ainda é Cedo e Geração coca cola, o disco tem os pertardos punk Petróleo do Futuro, Baader Meinhof Blues e Teorema com uma rebeldia e transgressão inteligente.

Traria também O Reggae como grito social, e Soldados vociferando contra o maior mal do capitalismo (a Guerra).

Já a Dança e Perdidos no Espaço era o retrato de uma geração dinâmica e ao mesmo tempo perdida em suas fugas nas formas da moda ou dos vícios.

E esse álbum fenomenal é encerrado com a reflexiva e nostálgica Por Enquanto.

Musicalmente, apesar de ser um grupo entrosado e com um vocalista de técnica vocal a frente dos das demais bandas, o que mais se destacava era o excepcional contra baixo de Renato Rocha, que fazia Marcelo Bonfá suar na bateria para acompanhar a contento e que exigia que Dado Villa Lobos tirasse o melhor de si em cada linha de guitarra tudo isso para que a música fosse coesa e homogênea.

Bons tempos, e uma banda que eu só pude conhecer a fundo no último ano de vida do Renato Russo, mas carrego até hoje sua discografia e canções no coração.

Veja abaixo na integra o álbum de estréia da Legião Urbana na mais que apropriada seção: O 1 º álbum clássico.

Continue lendo a postagem


Melody Gardot – Baby I’m A Fool – live

Melody Gardot, é uma cantora e compositora de jazz norte americana.

Suas influências musicais passam pelo blues e jazz de Janis Joplin, Miles Davis, Duke Ellington e George Gershwin.

Da musica latina, ouve muito Stan Getz e Caetano Veloso.

Sua carreira, começou de forma bem inusitada e agonizante, pois foi devido a um grave acidente que lhe deixou diversas sequelas físicas.

Foi aconselhada pelo seu médico a dedicar-se a música como forma de terapia e escape a dor, como pela suas condições estava impossibilitada de tocar piano (seu principal instrumento), aprendeu e se aprimorou na guitarra.

Neste periodo de tratamento, ela compôs suas primeiras musicas que geraram um EP, que seria a base de seu primeiro album.

Melody tem um jeito de tocar e cantar muito peculiar, onde foca mais na melodia do que na técnica impressionante de Diana Krall ou Nina Simone.

Quem ouve Melody pela primeira vez, consegue ver um lado positivo e bonito nas canções e letras tristes e que te enriquece como ser humano.

Melody tem 4 discos de estudio e dois EP,s:

Álbuns de estúdio

2008- Worrisome Heart
2009- My One and Only Thrill
2012- The Absence
2015- Currency of Man

EP

2005- Some Lessons: The Bedroom Sessions
2009- Live from SoHo

Por ela ser um exemplo não só de talento, mas principalmente de superação, hoje ela é a artista da vez na nossa sessão Jazzmania.

Confira abaixo um dos seus maiores sucessos em versão ao vivo:

Continue lendo a postagem