Tudo sobre música, leitura e opinião de qualidade
Translate blog
Fãs do Facebook

Redes Sociais




Seguidores do Google

Seguidores diHITT

Total de visualizações
  • 161Esta postagem:
  • 42585Total de leituras:
  • 3Leituras de hoje:
  • 15Leituras de ontem:
  • 57Leituras da semana passada:
  • 180Leituras por mês:
  • 28656Total de visitas:
  • 3Visitas de hoje:
  • 13Visitas de ontem:
  • 49Visitas da semana passada:
  • 157Visitas por mês:
  • 7Média de visitas por dia:
  • 0Visitantes que estão online:
Nossos Parceiros
Faça parceria conosco!


Calendário
maio 2019
S T Q Q S S D
« out    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Jonny Lang – Fight for my soul

jn_fightformysoulQuem estiver lendo esta postagem pode estar perguntando a si mesmo? Quem é esse tal de Jonny Lang que nunca ouvi falar na vida?

Jonny Lang é um cantor e guitarrista virtuoso que começou sua carreira aos 14 anos de idade fazendo um disco de cover (Smoking – 1995) de grandes mestres do blues como Gary Moore e Robert Johnson entre outros. No segundo álbum que lançou aos 16 anos de idade (Lie to Me – 1996) tem algumas músicas de autoria própria como as clássicas Lie to Me (petardo rock n’ roll) e Miss your Love (a primeira balada de sucesso de outras tantas que vieram depois) e o magistral blues Darker side. A consagração veio no terceiro álbum (Wonder this World – 1998) com o grande sucesso romântico Breakin ‘ Me e o rockasso Still Rainin, e com outras canções como a inspiradíssima faixa título, Walking Away (outras grande balada) e a maravilhosa versão de Cherry Red Wine do bluesman Luther Alisson.

O quarto álbum (Long Time Coming – 2003) é um disco de rock romântico que tem a participação de Joe Perry (Aerosmith) na guitarra base com os sucessos Give me up Again e Red Light, além de grandes canções como Goodbye Letter, Happiness and Misery (com gaita  harmônica de Stevie Tyler – Aerosmith), Hide to love e Dying to live. Depois de um período conturbado com envolvimento com drogas e posterior recuperação e mudança de crença religiosa Católica para a Igreja Batista, Jonny Lang conhece a fundo a música negra no que concerne a música soul e o funk americano e volta a tona com o quinto álbum (Turn Around – 2006) um álbum de soul music com elementos de rock, blues, jazz e r & b, onde ele deixa de ser apenas um virtuose da guitarra para se tornar um músico completo que explora e navega em variados estilos musicais fundido numa música única, este disco ganhou o Grammy de melhor disco Gospel de 2006, destaque para as canções Turn Around, My Love Remains, Only a Man e Last Goodbye (jazz romântico lindíssimo).

Ao longo de sua carreira, abriu show para lendas do blues como Buddy Guy (inclusive gravou Midnight Train em parceria) B.B King, Blues Traveler, abriu show também para bandas clássicas do rock como Rolling Stones e Aerosmith. Também já tocou com Jeff Beck, Sting e Eric Clapton, ele participa regularmente do projeto Jimi Hendrix Experience onde um conjunto de grandes guitarristas do rock e do blues interpretam clássicos do Jimi Hendrix, também já tocou várias vezes com o Double Trouble, banda do lendário e falecido Stevie Ray Vaughan interpretando suas canções. Além de sua genial técnica musical, sempre impressionou os ouvintes e críticos pelo seu timbre de voz e técnica vocal incomum, pois aos 15 anos já cantava como um bluesman de 50 anos de idade.

No seu sexto álbum de estúdio – FIGHT FOR MY SOUL, lançado 7 anos depois do anterior, Jonny Lang alarga mais ainda a fronteiras da diversidade musical num disco que oras caminha pelo soul, oras pela folk music, com incursões de rock, r & b, blues e funk americano. O álbum inicia com a empolgante Blew Up (The house) com uma introdução de guitarra country rock, bateria, guitarra e baixo rock n’ roll básico que caminham harmoniosamente com teclado de blues ao final da canção sendo de cara o primeiro ponto alto do disco. Seguindo com Breakin’ In uma canção de harmonia r & b que seria um elo perdido entre Eric Clapton e Mary J. Blige com teclados de soul music, bateria e baixo trip hop / rock, guitarra base pop rock e guitarra solo funkeada. Como terceira canção e segundo ponto alto do disco vem a música  We are the same que é a mais rock n’ roll do disco mesmo sobre uma harmonia de soul music com licks de guitarras que remetem ao blues, riffs de guitarra base rock n’ roll, bateria e baixo soul nas estrofes e que convergem para o rock no refrão, teclado soul e um grande solo de guitarra rock n’ roll que “salva” o estilo que os críticos dizem estar morto.

Jonny Lang 8Na quarta faixa What you’re looking for, é uma canção de guitarras e bateria rock n’ roll, baixo de soul music e teclados pop rock, na sequência vem Not Right que é a música mais suingada do disco, com bateria e baixo soul e guitarras base funkeadas com guitarra solo rock n’ roll. O terceiro ponto alto do disco é a sexta e inspiradíssima canção The truth com uma  guitarra de introdução com um intimismo a la Carlos Santana, violão folk, um piano intenso e emotivo que soa cristalino como um Elton John, bateria e baixo pop rock sem improvisação, guitarras do refrão  e do solo rock n’ roll como em alguns momentos de Long Time Coming, de todas as faixas é a que tem o vocal mais provido de feeling. A sétima canção River é a musica mais ensolarada do disco, uma bateria e baixo pop rock contagiante que caminha harmoniosamente com um violão pop folk no inicio trazendo do primeiro refrão e prosseguir da canção uma explosão de guitarras base e solo, teclados pop dando o toque final em certos momentos da canção.

Na oitava canção que é a que dá o título ao disco traz um violão folk rock, baixo soul com uma bateria soando como uma percussão pop, guitarras bases que são um elo perdido de r & b e rock e guitarras solos que são licks de blues e soul. Em All of Sudden temos uma canção folk rock nos violões e baixo, guitarras r & b suaves e que acompanham os violões serenamente bateria de levada pop. Em Seasons, décima canção temos  violões folk, acompanhados de baixo e bateria pop rock, guitarras e teclados que sobressaem nos refrões com grande universalidade musical sem ter em exato um estilo ou gênero predominante, Jonny alterna intensidade e calmaria nos vocais que é ao longo da canção o eixo da mesma. Encerrando o álbum vem a música I’ll always be com base de piano folk acompanhado com notas esparsas de guitarra base r & b que o complementa, bateria e baixo pop rock , Jonny canta como se tivesse falando juras e segredos pela última vez a quem ama, teclados que trazem um clima épico que explodem em mais um grande solo de  rock na guitarra prosseguindo na guitarra base até o fim da canção.

Comparado ao álbum anterior de 2006, Fight for my soul é bem mais incorpado na bateria e baixo e com guitarras mais coesas e concisas, os teclados também aparecem com um maior destaque e relevância, quanto a voz, Jonny  Lang deixa de lado a improvisação e leveza de canto da soul music e coloca em seu canto a potência do rock n’ roll o que intensifica mais ainda essas canções.

NOTA: 9,0

Setlist:

  1. Blew Up (The house)
  2. Breakin’ In
  3. We are the same
  4. What you’re looking For
  5. Not Right
  6. The Truth
  7. River
  8. Fight for my Soul
  9. All of Sudden
  10. Seasons
  11. I’ll always Be

SITE: www.jonnylang.com

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *