Tudo sobre música, leitura e opinião de qualidade
Translate blog
Fãs do Facebook

Redes Sociais




Seguidores do Google

Seguidores diHITT

Total de visualizações
  • 98Esta postagem:
  • 37031Total de leituras:
  • 3Leituras de hoje:
  • 9Leituras de ontem:
  • 60Leituras da semana passada:
  • 126Leituras por mês:
  • 24414Total de visitas:
  • 3Visitas de hoje:
  • 7Visitas de ontem:
  • 54Visitas da semana passada:
  • 114Visitas por mês:
  • 7Média de visitas por dia:
  • 0Visitantes que estão online:
Nossos Parceiros
Faça parceria conosco!


Calendário
outubro 2018
S T Q Q S S D
« jun    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Smashing Pumpkins – Adore (1998)

adoreNuma época (1998) onde todas as bandas e artistas de rock estavam com pé forte na música eletrônica, Garbage, REM, U2, Lobão como alguns exemplos a serem citados, o Smashing Pumpkins vinha de uma grandiosa e também traumatizante turnê do multi platinado Mellon Collie and the Infinite Sadness, onde a grande baixa tinha sido a saída de Jimmy Chanberlain por problemas com abuso de drogas.

Billy Corgan se via então sem a sua alma músical nas baquetas e ainda passava um momento pessoal muito difícil (sua mãe com quem teve um convívio muito conturbado estava em estado terminal de câncer e acabara de findar o seu casamento), Billy já vinha dizendo desde a morte de Kurt Cobain que o rock estava morto e que o sucessor de Mellon Collie seria sobre músicas soturnas e com uma volta a forma de se compor música antes do advento do rock n’ roll e do blues.

Então em Adore vemos um album oras acústico com grandes incursões de folk rock no violão ou piano e oras eletrônico com batidas cheias de sintetizadores e synths em ambas vertentes sempre o contrabaixo de D’arcy está presente, oras marcante (como em Ava Adore) oras carregando a linha melódica da música (como em Shame), oras complementando o piano (como em Annie Dog), na temática das letras vemos Billy Corgan despedindo – se de sua mãe com aceitação e amargura pelos remorsos que carrega em Once Upon a Time e For Martha ou reconhecendo o fim do seu casamento como algo libertador e progressista à sua ex mulher em Crestfallen, Blank Page e Tear fazendo em todas estas canções vocais marcantes. É um disco praticamente ausente de riffs de guitarras distorcidas, tendo o ouvinte um pequeno aperitivo disso apenas em Daphne Descends.

Billy cria histórias interessantíssimas como em Annie Dog que é uma cachorrinha dependente de anfetamina analisando os pormenores do mundo e do seu dia – a – dia ou em Tale of Dusty and Pistol Pete que conta a história de um casal separado pela morte onde mesmo em planos diferentes os dois enfrentam seus demônios interiores para a sua cura espiritual e busca da felicidade.

Mostra o seu lado poético e instrospectivo nas letras e melodias de To Sheila e Behold! The Night Mare incrementados por nomes e termos fictícios ou religiosos, também mostra sua veia mais pop em Perfect e Apples + Oranges que poderíamos chamar de um New Order menos eletrônico e mais relevante no que Bernard Summer diz e canta.

Em Ava Adore, Billy Corgan canta sobre a devassidão de extremos em oras ver sua mulher como uma perfeita vadia a sacia-lo e oras ver essa mesma mulher como mãe de seus filhos ou possuidora de um encanto e fascínio que o faz ver Deus, em Pug, música de grande veia pop com incrementos de rock e eletrônica canta sobre alguma mulher que o seduz e induz a jogos de amor.

The+Smashing+PumpkinsJames Iha no disco é a sua segurança musical nas canções que exigem dois violões como The Tale of Dusty and Pistol Pete e To Sheila, tocando com maestria e coesão o segundo violão além de tocar uma guitarra solo em slide maravilhosa em Shame e uma guitarra base em segundo plano que acompanha harmoniosamente o piano de Billy Corgan em Annie Dog, For Martha e Crestafallen.

Com certeza Adore não tem a dimensão e importância de The Dark Side of the  Moon do Pink Floyd que causou todo um choque cultural em sua época mas podemos dizer que Adore em termos de primor de melodia é tão bom quanto o grande álbum da carreira do Pink Floyd.

Com Adore os Smashing Pumpkins mostraram a todos toda sua magia músical pois mudaram da água pro vinho saindo da densidade de guitarras dos trabalhos anteriores para compor folk rock, rock progressivo e música eletrônica sem decair na sua qualidade e importância musical tanto é que é um disco venerado pela crítica especializada.

Para os amantes de boa melodia, este álbum é para ouvir na cabeçeira da cama ao dormir.

Hits: Ava Adore, Perfect e Apples + Oranges.

Outras canções de destaque: To Sheila, Pug, Shame.

Tracklist

Todas compostas por Billy Corgan

1 –  “To Sheila” – 4:40
2 –  “Ava Adore” – 4:20
3 –  “Perfect” – 3:23
4 –  “Daphne Descends” – 4:38
5 –  “Once Upon a Time” – 4:06
6 –  “Tear” – 5:52
7 –  “Crestfallen” – 4:09
8 –  “Appels + Oranjes” – 3:34
9 –  “Pug” – 4:46
10 – “The Tale of Dusty and Pistol Pete” – 4:33
11 – “Annie-Dog” – 3:36
12 – “Shame” – 6:37
13 – “Behold! The Night Mare” – 5:12
14 -“For Martha” – 8:17
15 -“Blank Page” – 4:51
16 – “17” – 0:17 (instrumental)

 

 

The Smashing Pumpkins:

Billy Corgan – vocais, guitarra, piano, teclados, produção, mixagem, direção de arte e design
James Iha – guitarra, vocais
D’arcy Wretzky – baixo elétrico

 

Site:

www.smashingpumpkins.com

Músicos adicionais:

Matt Walker – bateria em “To Sheila”, “Ava Adore”, “Daphne Descends”, “Tear”, “The Tale of Dusty and Pistol Pete”, “Annie-Dog”, e”Behold! The Night Mare”
Matt Cameron – bateria em “For Martha”
Joey Waronker – bateria em “Perfect”, bateria adicional em “Once Upon a Time” e “Pug”
Dennis Flemion – backing vocals in “To Sheila” and “Behold! The Night Mare”
Jimmy Flemion – backing vocals in “To Sheila” and “Behold! The Night Mare”
Bon Harris – programação adicional em 2, 3, 4, 5, 7, 8, 9, e 13; backing vocals em “For Martha”
Brad Wood – engenharia de produção adicional nas faixas 1, 2, 4, 6, 13, e 15, backing vocals em “Behold! The Night Mare”, orgão em “Blank Page”

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *