Tudo sobre música, leitura e opinião de qualidade
Translate blog
Fãs do Facebook

Redes Sociais




Seguidores do Google

Seguidores diHITT

Total de visualizações
  • 34255Total de leituras:
  • 6Leituras de hoje:
  • 26Leituras de ontem:
  • 102Leituras da semana passada:
  • 202Leituras por mês:
  • 22136Total de visitas:
  • 6Visitas de hoje:
  • 26Visitas de ontem:
  • 94Visitas da semana passada:
  • 193Visitas por mês:
  • 13Média de visitas por dia:
  • 0Visitantes que estão online:
Nossos Parceiros
Faça parceria conosco!


Calendário
dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

lobão

Legião Urbana – 1985 (álbum) completo

No ano de 1985 na terra tupiniquim, o Brasil já tinha vivido a sensação teatro musical (Blitz), Paralamas do Sucesso e Barão Vermelho já estavam entre o 2º e 3º álbum de suas carreiras, Lobão já era figura carimbada no noticiário pelo seu talento (e loucuras cometidas) e aí eis que surge a banda que se consagraria como a maior de todos os tempos do rock nacional.

Se você pensou num grupo liderado por um tal de Renato Russo acertou!

A Legião Urbana seria em pouco tempo um fenômeno musical que causaria tanta histeria entre os fans quanto os Beatles nos anos 60.

Renato seria a voz de gerações em vida e principalmente de forma póstuma entre crianças e jovens que sabiamente fogem do funk e dos sertanejos universitários e sofrência.

Seu primeiro álbum, que simplesmente leva o nome da banda, é a concepção de uma geração que muito tinha para falar pós era de regime militar.

Além das clássicas Será, Ainda é Cedo e Geração coca cola, o disco tem os pertardos punk Petróleo do Futuro, Baader Meinhof Blues e Teorema com uma rebeldia e transgressão inteligente.

Traria também O Reggae como grito social, e Soldados vociferando contra o maior mal do capitalismo (a Guerra).

Já a Dança e Perdidos no Espaço era o retrato de uma geração dinâmica e ao mesmo tempo perdida em suas fugas nas formas da moda ou dos vícios.

E esse álbum fenomenal é encerrado com a reflexiva e nostálgica Por Enquanto.

Musicalmente, apesar de ser um grupo entrosado e com um vocalista de técnica vocal a frente dos das demais bandas, o que mais se destacava era o excepcional contra baixo de Renato Rocha, que fazia Marcelo Bonfá suar na bateria para acompanhar a contento e que exigia que Dado Villa Lobos tirasse o melhor de si em cada linha de guitarra tudo isso para que a música fosse coesa e homogênea.

Bons tempos, e uma banda que eu só pude conhecer a fundo no último ano de vida do Renato Russo, mas carrego até hoje sua discografia e canções no coração.

Veja abaixo na integra o álbum de estréia da Legião Urbana na mais que apropriada seção: O 1 º álbum clássico.

Continue lendo a postagem


Lobão – Pra onde você vai [Acústico MTV]

Todo mundo o conhece pelo seu lado mais ativista em relação a política ou contra a monopolização da música improdutiva via Lei Rouanet.

Agora uma coisa que não é de conhecimento de todo mundo, é que o Lobão é um excelente compositor romântico e não estou me referindo apenas ao clássico Me Chama.

Ao longo da sua carreira ele compôs diversas poesias, poemas e temas sobre amor em forma de canções.

A que trazemos hoje a tona fala da história de uma pessoa que teve uma aventura amorosa muito marcante e ao mesmo tempo passageira, e que se vê ali no vazio de sua casa apenas vivendo de memórias e lembranças da pessoa que o abandonou.

Confira então essa excelente versão acústica e orquestrada dessa música que é do disco A vida é doce de 1999.

Continue lendo a postagem


A voz da arte e dignidade musical: Lobão – Lino, Sexy & Brutal

A voz da arte e dignidade musical versus o jabá elegante e forçosamente charmoso dos algozes da música que um dia se colocaram como heróis através da Tropicália.

Caetano, Gil, Buarque e João Gilberto, assistam esse show e passem a produzir música honestamente.

Dedico também ao povo inebriado pelo breganejo, pelo axé e pelo funk da periferia, porque música é arte, poesia e engajamento cultural e político sem demagogias da esquerda e nem conservadorismos da direita!


Cazuza – Ideologia (1988)

Album_Ideologia

Quando vemos os jovens de hoje que querem algo melhor do que o Emo ou o Happy Rock, muitos deles vão em busca dos artístas do rock dos anos 80, é assombroso o tanto de pré adolescentes que endeusam e idolatram Renato Russo e o seu grupo Legião Urbana, mas pouquíssimos destes mesmos jovens conhecem a obra do igualmente poeta e grandioso Cazuza que sem sombra de dúvidas foi a grande voz da década de 80.

Artista de vida boemia, que se dizia bissexual, grande parceiro de Lobão em composições musicais e em uso de entorpecentes e que assumiu publicamente em 1989 que era soropositivo do HIV (falecendo no ano seguinte aos 32 anos de idade) ele começou sua carreira musical como vocalista do Barão Vermelho onde emplacou sucessos como Pro dia nascer feliz, Bete Balanço, Ponto Fraco, Por que a gente é assim, Maior Abandonado, outras canções que tiveram menos destaque mas de grande qualidade e valia também como Down em Mim, Blues do Iniciante, Todo amor que houver nesta vida.

Continue lendo a postagem…


Lobão 50 anos a mil

lobão

Ele deixa roqueiros radicais inconformados quando menospreza o estereótipo do rock brasileiro dizendo ser um artista de música popular brasileira, irrita bossa – novistas quando diz que ouvir Bossa Nova é tocar punheta de pau mole, tamanho o tédio e o marasmo de ouvir um ritmo tão desestimulante e que só continua sendo moderno para os norte – americanos.

 

Pra quem começa a ler o livro e espera um Lobão rebelde e dilacerador desde pequeno supreende – se com o filho frágil que possui uma mãe super protetora a ponto de deixá-lo muitas vezes sufocado e de pagar mico diante de colegas de escola, quando ainda criança ganha sua primeira bateria e a primeira música que tira por completo no instrumento é nada mais nada menos que Imigrant Song do lendário Led Zeppelin, ou seja ser músico era um destino já traçado na vida dele.

Continue lendo a postagem…