Tudo sobre música, leitura e opinião de qualidade
Translate blog
Fãs do Facebook

Redes Sociais




Seguidores do Google

Seguidores diHITT

Total de visualizações
  • 34255Total de leituras:
  • 6Leituras de hoje:
  • 26Leituras de ontem:
  • 102Leituras da semana passada:
  • 202Leituras por mês:
  • 22136Total de visitas:
  • 6Visitas de hoje:
  • 26Visitas de ontem:
  • 94Visitas da semana passada:
  • 193Visitas por mês:
  • 13Média de visitas por dia:
  • 0Visitantes que estão online:
Nossos Parceiros
Faça parceria conosco!


Calendário
dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

rock anos 80

Pixies – Debaser (Official Video)

O Pixies é uma banda norte americana oriunda de Boston, formada em 1986 por Black Francis (vocal e guitarra base), Joey Santiago (guitarra solo) Kim Deal (baixo e backing vocal) e Dave Lovering (bateria). Em 2013 Kim Deal deixa o grupo e a baixista Paz Lenchantin assume o contra baixo.

Grande influência de bandas do grunge como o Nirvana e Pearl Jam e também da mega banda alternativa Smashing Pumpkins, o Pixies é uma referência absoluta no rock alternativo.

Apesar de possuir apenas um hit radiofônico (here comes your man), o Pixies tem um público consolidado na Europa ficando entre os primeiros lugares com o disco BossaNova (1990) nas paradas britânicas.

A canção de hoje é do disco clássico da banda chamado Doolittle, consagrado entre a crítica e o público.

Na temática das canções, as letras são baseadas em OVNI’s, surrealismo, instabilidade mental e referências bíblicas.

Confira então Debaser um dos maiores petardos rocker da banda:

Continue lendo a postagem


Sonic Youth – Sunday

Está não é a primeira e mais velha banda de rock alternativo, mas é a soberana absoluta da vertente.

Todas as bandas dos anos 80 e principalmente dos anos 90 beberam da fonte do Sonic Youth.

Psicodélico ao extremo, eles elevam a música a outro patamar dos ditos estilos convencionais do rock como o heavy metal, o punk, o gótico, hard rock…

A crueza dos riffs e a esquizofrenia dos solos de guitarras fazem a pessoa que ouve Sonic Youth adentrar outra  dimensão.

Sinta isso com os seus ouvidos, com essa canção de 2004.

 

Continue lendo a postagem


Living Colour – Behind the Sun (acoustic)

Essa banda é uma das minhas de cabeceiras e que sempre estou ouvindo.

Com uma mistura de rock, funk e jazz, o Living Colour sempre faz álbuns muito enérgicos e explosivos.

Mas neste post vemos eles numa faceta pouco explorada que é em som acústico.

Transformaram Behind the Sun que um super hard rock em uma canção pop com apenas um violão e voz.

Confira então no vídeo abaixo a versão acústica da canção.

Continue lendo a postagem


Lobão – Pra onde você vai [Acústico MTV]

Todo mundo o conhece pelo seu lado mais ativista em relação a política ou contra a monopolização da música improdutiva via Lei Rouanet.

Agora uma coisa que não é de conhecimento de todo mundo, é que o Lobão é um excelente compositor romântico e não estou me referindo apenas ao clássico Me Chama.

Ao longo da sua carreira ele compôs diversas poesias, poemas e temas sobre amor em forma de canções.

A que trazemos hoje a tona fala da história de uma pessoa que teve uma aventura amorosa muito marcante e ao mesmo tempo passageira, e que se vê ali no vazio de sua casa apenas vivendo de memórias e lembranças da pessoa que o abandonou.

Confira então essa excelente versão acústica e orquestrada dessa música que é do disco A vida é doce de 1999.

Continue lendo a postagem


U2 – Where The Streets Have No Name

Nada melhor para esta seção do blog, que se trata dos grandes clássicos do rock, de dar destaque e passagem para o U2.

Escolhi essa canção, pois se trata de uma das faixas do “The Joshua tree”, álbum que consagrou o U2 no rock e que agora em 2017 faz aniversário de 30 anos.

Na sua versão antológica em vídeo clipe onde eles fazem uma apresentação ao vivo surpresa em terras americanas e mobilizam todo o policiamento e segurança local.

Então confere o som aí logo abaixo:

Continue lendo a postagem


5 canções imortais do Depeche Mode

dmDa new wave / synthpop a versões acústicas ao piano ou o chamado blues eletrônico, termo que foi atribuído ao inspirado e soturno Delta Machine, último disco de estúdio da banda, o fato é que o Depeche Mode não é uma moda passageira (tradução do nome da banda) para a história do rock.

Martin L Gore (músico talentosíssimo e cérebro musical da banda) e Dave Gahan no seu vocal barítono inconfundível junto com Andrew Fletcher fizeram do Depeche Mode um império musical que transita harmoniosamente entre o rock e a música eletrônica com nuances musicais dark  e góticas.

Continue lendo a postagem


A voz da arte e dignidade musical: Lobão – Lino, Sexy & Brutal

A voz da arte e dignidade musical versus o jabá elegante e forçosamente charmoso dos algozes da música que um dia se colocaram como heróis através da Tropicália.

Caetano, Gil, Buarque e João Gilberto, assistam esse show e passem a produzir música honestamente.

Dedico também ao povo inebriado pelo breganejo, pelo axé e pelo funk da periferia, porque música é arte, poesia e engajamento cultural e político sem demagogias da esquerda e nem conservadorismos da direita!


(Renato Russo) 11/10/1996 – O nascimento do maior poeta da história do rock mundial?

Renato-Russo-310x310Lembro – me que em 11 de outubro de 1996 estava no meu 1° emprego trabalhando quando por volta das 08:30 da manhã fiquei sabendo do falecimento de Renato Russo, na época estava ouvindo a Legião Urbana recentemente, nem tinha ainda todos os seus discos, ouvia muito o cd Tempestade que me identificava muito por conta de uma paixão que estava sendo um momento muito difícil na minha vida, e este último trabalho da Legião Urbana com Renato Russo em vida era o prospecto de alguém que desistiu de ser feliz no amor, desistiu da vida e esperava pela morte.

Podemos perguntar a qualquer pessoa ouvinte ou fã de Legião Urbana por quê ouve a banda e independente da idade a resposta sempre será a mesma: ouço Legião por que as letras dele (Renato) retratam situações e vivências que tenho na minha vida e no meu dia – a – dia, ele canta as minhas desilusões e decepções no amor. No dia da sua morte todo mundo se sentia um pouco orfão, seja pré adolescentes ou adultos já de 30 à 40 anos de idade, pois Renato não apenas descrevia a vida e a história das pessoas em suas canções, mas suas músicas serviam de alento e coragem para continuar em frente, como muito bem cantado em Vento no litoral.

Continue lendo a postagem…